Ciclo de Cinema 🎬

O “Ciclo de Cinema APEC-CCBB” visa, essencialmente, promover a história e a cultura brasileira por meio de exibições e debate de filmes nacionais. E, ainda, incentivar intercâmbio entre pesquisadores, professores, estudantes brasileiros e a comunidade da Catalunha – em especial dos estudantes de língua portuguesa ou de temáticas ligadas ao Brasil.   Realizado pelo segundo ano consecutivo, Ã© uma iniciativa conjunta da APEC e do CCBB, com o apoio Consulado-geral do Brasil em Barcelona. Em 2019, a temática comum dos filmes escolhidos são as realidades, fatos ou aspectos pouco divulgados do Brasil. O tema do ciclo de 2019 será O Brasil Desconhecido, com a exibição de cinco obras que mostrem aspectos pouco divulgados da realidade brasileira.

 

Realização: Associação dos Pesquisadores e Estudantes Brasileiros na Catalunha – APEC e Centro Cultura do Brasil em Barcelona â€“ CCBB

Apoio:  Acervo Centro de Estudos Brasileiros / Centro Cultura do Brasil em Barcelona / Consulado-geral do Brasil em Barcelona

 

Curadoria 2019: Wagner Novaes (CCBB), Desirée C. Rabelo e Raquel Paula (APEC)

 

Custos e logística para participar do projeto: Não há custos financeiros previstos. A APEC e o CCBB se responsabilizam pela seleção e disponibilização do material a ser exibido, além da divulgação. Outras organizações que quiserem participar da mostra devem fornecer o local e equipamentos necessários (computador, projetor, som) para a exibição – além de participarem também da divulgação da sessão

 

Locais de exibição já confirmados: Casa Amatller (Passeig de Gracia, 41 – 3º andar)

Dep.de Português da Escola Oficial d’Idiomes de Barcelona (Av. de lesDrassanes, 14)

 

Periodo de exibição: abril a junho de 2018 – Datas e horários a confirmar

 

Contatos: Telefone: (+34) 932 15 64 86 /Email: info@ccbrasilbarcelona.org, apecbcn@gmail.com

 

Uma breve visão sobre o cinema brasileiro: 

As primeiras filmagens no Brasil remontam a 1898. Desde então, o cinema brasileiro registra uma produção bastante diversificada, com comédias, dramas, documentários, animações, dentre outros gêneros. Alguns dos momentos mais marcantes dessa história foram a “chanchadas” (filmes cômicos-musicais de baixo orçamento), produzidas pela Atlântida Cinematográfica, na década de 1940 e o chamado Cinema Novo, entre 1950-60, com temáticas de cunho social e político, por exemplo as produções de Glauber Rocha: “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964) e “O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro” (1968). Já nas décadas de 1970-80, devido a diferentes fatores, registrou-se uma grande crise, com o declínio de produção e de público. Até que, na segunda metade da década de 1990, tem início o período conhecido como “Cinema de Retomada”. A partir de então, a indústria cinematográfica consolida-se em termos de produção e ganha projeção internacional com diversos filmes indicados para festivais e Oscar, como Cidade de Deus (2002) de Fernando Meirelles; Carandiru(2003) de Hector Babenco; Tropa de Elite (2007) de José Padilha; e Enquanto a Noite Não Chega (2009), de Beto Souza e Renato Falcão. Segundo dados da Agência Nacional do Cinema (ANCINE), de 1995 a 2017 aconteceram 1.558 lançamentos de filmes, sendo 993 ficções, 539 documentários e 25 animações. Em 2018, os filmes de ficção nacionais reuniram 15,4 milhões de espectadores, chegando a uma participação de 28% do mercado.